24 de jun de 2019

[Crônica] Insides


 Adquira o livro físico de As crônicas da Aninha
Oi amores! Tudo bem?!
Hoje meu trajeto ao trabalho foi um pouco diferente, em vez de pegar o meu BHBus de sempre pequei um metropolitano porque queria chegar na hora e não queria acordar mais cedo (as vezes posso me dar ao luxo de dormir mais) e ele é deveras mais rápido me deixando onde eu precisava 15 minutos depois.

O fato é que o trajeto que fiz me lembrou da época de escola quando eu ainda estava no quarto ano primário vi uma garotinha andar pela rua de pele clara e cabelos longos de franja e bem pretos como se fosse uma Índia ( é eu era assim) meu amigo leitor eu me vi. Tudo mudou o local em nada se parecia com o antigo lugar que eu passava para esperar o escolar.

Ao som de "In a world like This"dos Backstreetboys eu fui no caminho lembrando dos amigos da época daquela garotinha tímida e que nem sabia direito o que queria, na época minha única preocupação era chegar em casa e fazer o dever de casa rápido para não perder a tarde de desenhos e filmes. Que infância boa eu tive. As vezes você pode olhar para trás e se perguntar onde você se perdeu, eu me vi e olhando para trás digo que todos os caminhos que fiz me trouxeram onde estou hoje. Talvez eu mudasse alguma coisa, mas se mudasse deixaria de conhecer tanta gente boa que entrou no meu caminho.

Acredite meu querido leitor olhar para trás é bom? Sim. Claro. Mas seguir em frente com aquela certeza de que momentos melhores virão e que principalmente você evoluiu, quanto aprendizado você tem na bagagem!

Ah e eu vou com toda certeza pegar esse caminho porque além de rápido me mostrou que eu finalmente superei meus traumas e quando você se supera é algo maravilhoso.

Ah e antes que eu esqueça meu livro "As Crônicas da Aninha" esta disponível pra aquisição sub demanda no CDA https://bit.ly/2Z0fc2W )

Gosta de ler os posts aqui? Então corre lá e adquira o seu.

Promoções em breve!
E aí curtiu? Então compartilhe!

Beijos escritos,

Márcia Lima

Escritora e blogueira

Redes sociais

*Instagram: Márcialimaautor *Twitter : Márcialimaautor *Facebook: marcialimaautora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ela Não Soube Perdoar

Aonde vai Vó?- Perguntou a neta preocupada com a fragilidade com que a avó levantou aquela manhã. – Vou encontrar-me com um velho amigo, ele está internado no hospital em Belo Horizonte, sofreu um infarto e os médicos acham que ele não vai durar muito tempo.
– Dona Sophia, quando quiser o carro já está pronto e lhe aguarda.
O motorista trabalhara para Sophia nos últimos vinte anos e nunca tinha visto a senhora tão abatida, seu ar era de alguém que não tinha dormido, e realmente depois de ter recebido a noticia de que Arthur estava internado, ela não dormia há duas noites e mal tinha se alimentado, a verdade era que o coração latejava, em busca de uma solução, queria voltar ao passado e consertar um erro.
– Estou pronta Marcos, vamos.
– Espera Vovó, eu também vou com a senhora, deixe-me pegar minha bolsa que vamos e nem adianta dizer que não, eu vou junto e pronto.
– Tudo bem querida.
A neta era uma garota exemplar crescera ali naquele sítio e sempre foi muito apegada a avó, e por muitos meses eram somente as duas e os três funcionários que trabalhavam no sítio, ela foi para o carro e enquanto esperava neta sua mente voltava ao passado.
Sophia fora uma garota exemplar, criada também pela avó, aprendeu desde cedo que tinha que lutar pelo que queria se quisesse ser alguém na vida.
Ela frequentou a escola e suas notas sempre foram as melhores da turma, era adorada pelos professores e sua avó nunca teve uma queixa, parecia que a história se repetia com sua neta, as duas eram muito parecida até na aparência, Sophia via e si mesma quando conversava com a neta.
Em seu interior sempre se perguntava como havia sido sua mãe, a mãe de Sophia morreu de bala perdida em um dia fatídico em que ela iria dar inicio em suas aulas da Faculdade de Letras, ela morreu antes mesmo de chegar ao hospital, após isso a avó se mudou com Sophia ainda pequena aos dois anos de idade para uma cidadezinha do interior de Minas Gerais, morando em um Sítio nunca lhe faltou aventuras e diversão, nem amizades sinceras e leais.